Suprema Corte da Índia crítica governo da União por atraso nas regras de cripto

A Suprema Corte da Índia repreendeu em 27 de julho o governo da União pela falta de regulamentação cripto no país, de acordo com um relatório de um meio de comunicação local.

A Suprema Corte em sua observação observou que é “infeliz” que o governo ainda não tenha divulgado nenhuma orientação clara sobre criptomoedas. A observação do tribunal ocorreu em meio a casos crescentes de atividades criminosas envolvendo criptomoedas e instruiu o governo da União a registrar se planeja estabelecer qualquer agência federal dedicada a investigar tais casos criptográficos, informou o jornal local.

De acordo com o relatório, os juízes Surya Kant e Dipankar Datta disseram:

“Você ainda não tem nenhuma lei, infelizmente. Você tem uma agência em nível nacional para entender esses casos e investigá-los adequadamente? Queremos que você identifique uma agência especializada nacional, no interesse nacional.”

A observação do tribunal ocorreu durante a audiência de petições registradas em conexão com casos de fraude de criptomoeda em diferentes estados da Índia. O tribunal pediu ao governo que apresente uma resposta sobre se eles são capazes de estabelecer um mecanismo para investigar esses casos.

A luta por regulamentações criptográficas claras emitidas pelo governo na Índia tem sido longa. O governo começou a trabalhar em um projeto de lei criptográfico seguindo as instruções da Suprema Corte já em 2018. No entanto, o governo ainda não apresentou a versão final do projeto de lei criptográfico, apesar de garantir que seria concluído repetidamente nos últimos quatro anos.

Embora o governo indiano ainda não tenha estabelecido diretrizes criptográficas, foi muito rápido impor leis de tributação criptográfica, que entraram em vigor em abril de 2022. A lei foi introduzida pela primeira vez durante o mercado em alta, quando a Índia se tornou um dos principais mercados de criptomoedas, com vários unicórnios de criptomoedas e volumes de negociação subindo para bilhões de dólares. No entanto, as leis tributárias tiveram um impacto drástico no próspero mercado de criptomoedas, já que a maioria das empresas estabelecidas decidiu se mudar da Índia devido à falta de clareza regulatória.

Créditos: Cointelegraph e Canva.

Comitê canadense propõe medidas para apoiar blockchain e cripto

Os legisladores canadenses na Câmara dos Comuns mostraram seu apoio à tecnologia blockchain e às criptomoedas em um relatório divulgado pelo Comitê Permanente de Indústria e Tecnologia (INDU).

O relatório, que consiste em 16 propostas separadas, destaca as vantagens e o potencial da tecnologia blockchain em vários setores. Como resultado das deliberações do INDU, o comitê fez recomendações que foram incluídas no relatório para consideração da Câmara dos Comuns e do governo.

O relatório recomenda que o governo canadense reconheça o blockchain como uma indústria emergente com oportunidades econômicas e de criação de empregos significativas a longo prazo. Recomenda priorizar a proteção do direito dos indivíduos à auto custódia e promover o acesso seguro e confiável aos ativos digitais.

Assim como o país pressionou pela adoção de regulamentações criptográficas, o INDU propõe que o governo estabeleça uma estratégia nacional de blockchain envolvendo especialistas, empreendedores, acadêmicos, investidores e a indústria de inteligência artificial (IA). O relatório sugere que a estratégia deve estabelecer uma plataforma para troca e monitoramento de informações, analisar áreas promissoras de interrupção, aconselhar o governo sobre iniciativas promissoras e apoiar o governo na implementação.

O relatório também sugere que o governo busque a cooperação internacional no desenvolvimento de regulamentos e políticas de blockchain, conduza projetos-piloto inovadores usando livros distribuídos, adote uma abordagem regulatória distinta para stablecoins, promova o estabelecimento de custodiantes de criptomoeda regulamentados pelo governo federal e forneça acesso a serviços bancários e de seguros para empresas de blockchain.

O relatório afirmou que uma campanha de conscientização pública deve ser lançada para educar o público sobre os riscos relacionados às criptomoedas e os benefícios de acessar os mercados de criptomoedas por meio de entidades canadenses regulamentadas.

Para garantir que a tecnologia blockchain se torne popular, o comitê incentiva o governo a investigar maneiras de promover a adoção da tecnologia blockchain nas cadeias de suprimentos e estudar os benefícios da tecnologia para votação eletrônica, consulta e modernização de instituições democráticas.

Recentemente, o Departamento de Finanças do Canadá propôs mudanças legislativas na Lei do Imposto sobre o Consumo relacionada à mineração e remuneração de criptoativos. A proposta do INDU recomendou investigações de equidade entre as províncias na aplicação da Lei do Imposto sobre o Consumo às atividades de mineração e alegou que a mineração de ativos digitais constitui uma indústria competitiva.

Créditos: Cointelegraph e Canva.

Pesquisa revela quais são as cidades mais bem posicionadas para indústria cripto

Uma nova pesquisa sugere que uma capital europeia está mais bem posicionada para atrair ainda mais da indústria. Os projetos criptográficos europeus nomearam Lisboa como o hub criptográfico mais importante do mundo, de acordo com o relatório bianual State of European Crypto 2023, publicado hoje pela empresa europeia de investimento criptográfico Greenfield.

O relatório pesquisou anonimamente 68 chefes de empresas e protocolos cujos membros fundadores são de origem europeia ou também com sede na Europa. Apesar da pesquisa anônima, um porta-voz de Greenfield estimou que um terço dos entrevistados também eram empresas do portfólio.

“Temos grande confiança de que o cenário criptográfico da Europa continuará a prosperar, reforçado pelo regulamento MiCA, que solidificará a posição da Europa como um dos centros industriais mais importantes do mundo”

disse Jascha Samadi, sócio cofundador por e-mail, explicando a pesquisa.

“Mesmo em meio ao mercado de baixa atual e em comparação com a última retração do mercado em 2018, vemos um crescimento notável na comunidade de construtores europeus e, além disso, sinais claros de amadurecimento do setor.”

Metade (50%) dos inquiridos colocou Lisboa nos seus três hubs criptográficos mais relevantes do mundo. Berlim e Nova York ficaram juntas em segundo lugar, cada uma sendo mencionada por 35% dos entrevistados. Paris ficou em sétimo lugar.

Sem surpresa, quando solicitados a escolher apenas uma cidade europeia que os entrevistados consideram a “mais relevante” para o setor, Lisboa superou novamente aos olhos de 35% dos fundadores do projeto. As razões mais comumente citadas para defender a capital portuguesa incluem seu forte cenário financeiro descentralizado (DeFi) e leis fiscais favoráveis.

Estado da Criptomoeda Europeia: principais conclusões

O novo relatório de Greenfield vem duas semanas depois que os legisladores europeus aprovaram o projeto de lei Markets in Crypto Assets (MiCA), a primeira tentativa do bloco de estabelecer uma estrutura regulatória unificada e abrangente para cripto entre seus 27 estados membros.

Os regulamentos foram citados como o tópico mais influente de 2023 para 70% dos entrevistados. Questões relacionadas à privacidade e identidade ficaram muito atrás em segundo lugar entre 35% dos projetos. Quando solicitados a classificar os principais obstáculos no caminho para a adoção em massa, a maioria dos projetos europeus deu um lugar de destaque para melhorar a experiência do usuário com criptomoedas. Questões de regulamentação ficaram em segundo lugar.

A maioria dos entrevistados concorda quase unanimemente que, após a grave turbulência de 2022, marcada pelos colapsos históricos do emissor de stablecoin Terra e da exchange cripto FTX, este ano será de regeneração da indústria e limpeza de maus atores. Não faltam novos talentos de desenvolvimento para ajudá-los a desenvolver a tecnologia. Em uma seção que analisou as 42 principais empresas e protocolos com forte presença na Europa, Greenfield descobriu que havia 1.300 desenvolvedores mensais no primeiro trimestre de 2023 (de acordo com seus repositórios GitHub).

Esse número marcou um aumento de 300 em relação ao quarto trimestre de 2022, o pico mais substancial até agora. É ainda mais notável, diz Greenfield, porque o mesmo setor perdeu terreno em termos de capitalização de mercado. Depois de ter quase 6% do valor de mercado combinado de Bitcoin e Ethereum no auge de sua corrida de alta no quarto trimestre de 2021, os mesmos projetos agora têm 2,5% (ou US$ 20 bilhões) no primeiro trimestre de 2023.

Créditos: Decrypt e Canva.

Banco da Coreia recebe o direito de investigar empresas locais de crypto

O banco central da Coreia do Sul recebeu luz verde para intensificar seu escrutínio de operadores e emissores de serviços de criptomoeda em meio a novas discussões sobre a legislação de ativos virtuais no país. Em 20 de abril, a mídia local The Korea Herald informou que o Banco da Coreia (BoK) terá o direito de investigar operadores de negócios relacionados a criptomoedas.

O banco central sul-coreano tem competido com o regulador financeiro do país, a Comissão de Serviços Financeiros (FSC), pela jurisdição criptográfica. No entanto, o FSC terá a palavra final na regulamentação do setor de ativos digitais. O Banco da Coreia expressou preocupação com os riscos de estabilidade financeira das stablecoins e agora poderá solicitar dados de transações de exchanges de criptomoedas.

O direito do BoK de solicitar dados de operadores de moeda digital foi confirmado por um funcionário do Comitê de Assuntos Políticos da Assembleia Nacional na semana passada. O FSC expressará sua posição oficial em uma reunião do subcomitê em 25 de abril. A reunião acelerará a implementação das leis de ativos virtuais da Coreia do Sul, de acordo com o relatório.

O legislador do Partido Democrata Kim Han-gyu, que propôs os regulamentos criptográficos do país, a Lei dos Criptoativos, disse:

“A Comissão de Serviços Financeiros admite que é necessário que o Banco da Coreia tenha o direito de solicitar dados, mas se recusa a incluir na conta.”

O governo sul-coreano tem tentado promover a legislação criptográfica, mas houve discussões entre o banco central e o FSC sobre quem deveria controlá-la.

No entanto, o FSC alertou que, se o banco central governar as criptomoedas, enviará a mensagem de que os ativos digitais têm a mesma posição que as finanças tradicionais. O presidente do FSC disse anteriormente que não considera a criptomoeda um ativo financeiro.

As duas instituições estão em desacordo nos últimos três anos sobre os regulamentos de criptografia. O FSC foi acusado por funcionários do Comitê de Assuntos Políticos, uma divisão da Comissão de Assuntos de Estado do país, de tentar monopolizar sua posição como regulador de cripto.

O desenvolvimento mais recente significa que tanto o banco central sul-coreano quanto seu regulador financeiro poderão investigar os operadores de criptografia e ter acesso total aos dados da transação.

O FSC tem atuado recentemente com ações de fiscalização contra empresas criptográficas e assume a mesma posição que a Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos no que diz respeito aos ativos criptográficos. O Serviço de Supervisão Financeira da Coreia do Sul, que opera sob o FSC, anunciou um órgão investigativo chamado Comitê de Ativos Digitais em meados de 2022.

Créditos: Cointelegraph e Canva.

MiCA propõem fim do “faroeste” crypto

Os legisladores da União Europeia dizem que os novos regulamentos sobre criptomoedas na região encerrarão a era do ‘velho oeste selvagem’ da indústria e restaurarão a confiança, após os colapsos de alto perfil do ano passado. Os mercados de ativos criptográficos (MiCA) serão votados no Parlamento Europeu em Estrasburgo amanhã, marcando um marco importante na aprovação da proposta em lei.

Antes da votação, os parlamentares debateram os méritos do pacote na Câmara hoje, com vários saudando a introdução de uma estrutura legal como um grande passo à frente no bloco. Ernest Urtasun, um eurodeputado espanhol que foi um dos membros encarregados de elaborar a legislação, disse:

“Que o MiCA marcaria o fim da era do oeste selvagem para o mundo não regulamentado dos criptoativos.”

“Por mais de uma década, a falta de regulamentação resultou em enormes perdas para muitos investidores iniciantes e forneceu um porto seguro para fraudadores e redes criminosas internacionais. A MiCA representa um primeiro passo importante e necessário para colocar o setor cripto sob supervisão regulatória.”

Stefan Berger, o eurodeputado alemão que foi o principal arquiteto do regulamento, disse que colocaria a UE “na vanguarda da economia de tokens” e “restauraria a confiança que foi prejudicada pelo caso FTX”.

Vários outros membros falando em apoio ao MiCA também mencionaram o colapso catastrófico do FTX. A comissária financeira Mairead McGuinness chegou a dizer que se a FTX estivesse sob jurisdição da UE, “muitas de suas práticas não seriam permitidas” e apontou para as regras da MiCA que exigem que as empresas divulguem conflitos de interesse e não usem fundos de clientes.

Políticos expressam preocupação

Enquanto cerca de uma dúzia de parlamentares expressaram seu apoio à proposta, também houve alguma dissidência e resistência. O eurodeputado irlandês Chris MacManus disse que apoiava o MiCA por causa de sua ênfase na transparência e na proteção do consumidor, mas que sua própria opinião sobre as criptomoedas não é alta. E ele disse:

“Não tenho interesse em criar um mercado ou promover o uso de criptoativos”

“Na pior das hipóteses, eles são esquemas de pirâmide, são usados ​​por gangues criminosas para lavagem de dinheiro, defraudam os trabalhadores e podem desperdiçar grandes quantidades de energia sem nenhum propósito.”

Enquanto isso, o deputado holandês Paul Tang comparou a criptomoeda a um episódio da história de seu próprio país: a mania das tulipas de 1637, uma das primeiras bolhas do mercado financeiro. Ele disse:

“A bolha estourou, poupadores, especuladores e investidores ficaram em ruínas”

“As semelhanças com as criptomoedas são gritantes. Ninguém sabe para que usá-los, mas eles são a próxima moda.”

No entanto, ele admitiu que as tulipas agora fazem parte da cultura holandesa e disse que talvez as criptomoedas possam alcançar “a mesma coisa” um dia. Objeções também foram levantadas por Gunnar Beck, um eurodeputado alemão que disse que a UE estava “criminalizando o financiamento descentralizado e seus usuários” ao exigir que mais transações fossem relatadas às autoridades relevantes. Gunnar Beck acrescentou:

“A UE está estabelecendo um estado de supervisão financeira total”

Muitos eurodeputados falaram da necessidade de manter o regulamento relevante e evitar ficar para trás no desenvolvimento tecnológico.

“A Europa perdeu o trem da inovação no que diz respeito à internet”

Disse a portuguesa Lídia Pereira e complementou:

“Agora não basta apenas pegar o trem, temos que ser os condutores desta nova era.”

Se aprovado pelo parlamento amanhã, o MiCA receberá a aprovação final do Conselho Europeu em maio, antes de ser publicado oficialmente. Suas regras sobre stablecoins entrarão em vigor em julho do próximo ano, mas os provedores terão mais tempo para se atualizar com alguns outros requisitos que não entrarão em vigor até janeiro de 2025.

Créditos: Decrypt e Canva.

O chefe da SEC, Gary Gensler, enfrentará o Congresso questionando a política de Crypto

O chefe da Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos (SEC), Gary Gensler, deve testemunhar perante o Comitê de Serviços Financeiros da Câmara pela primeira vez. Em entrevista, o representante Patrick McHenry, presidente do Comitê de Serviços Financeiros, confirmou que o chefe da SEC teria que enfrentar perguntas em 18 de abril sobre sua abordagem em relação ao ecossistema cripto.

O Comitê de Serviços Financeiros da Câmara tem jurisdição sobre todos os aspectos do setor de serviços financeiros dos EUA, incluindo bancos, valores mobiliários e ativos digitais.

Durante sua entrevista, McHenry observou que seria a primeira audiência de supervisão da SEC. A audiência será focada na regulamentação e abordagem de Gensler em relação aos criptoativos. Ele acrescentou que o comitê terá uma supervisão geral considerável sobre a SEC e adotará uma abordagem séria em termos de “estabelecer uma esfera regulatória para ativos digitais”.

A abordagem do chefe da SEC em relação à cripto virou muitas cabeças ao longo dos anos, com muitos membros do partido democrata expressando sua preocupação com sua abordagem. Alguns na indústria cripto acreditam que a postura anticripto do partido pode ser desastrosa para sua campanha eleitoral de 2024.

Dennis Porter, cofundador do Satoshi Action Fund, disse que muitos pró-cripto e pró-Bitcoin são os democratas estão fazendo fila para expressar sua oposição à postura do próprio partido.

Os reguladores dos EUA adotaram uma postura dura em relação ao fundador nos primeiros meses de 2023, com a SEC emitindo avisos de Wells para várias empresas de cripto , incluindo a Coinbase. A Commodity Futures Trading Commission também entrou com um novo processo contra a Binance. No entanto, a comunidade cripto sempre destacou que os regulamentos seriam decididos pelo Congresso , não por agências individuais.

Créditos: Cointelegraph e Canva.

Casa Branca cita crypto em relatório econômico

A Casa Branca mirou nas criptomoedas em um novo relatório, argumentando que muitos aspectos do ecossistema de ativos digitais estão criando problemas para os consumidores, o sistema financeiro e o meio ambiente.

Relatório Econômico do Presidente, publicado na segunda-feira, é uma publicação anual do Conselho de Assessores Econômicos destinada a explicar as prioridades e políticas econômicas do presidente. A edição de março de 2023 incluiu um capítulo inteiro sobre ativos digitais e “princípios econômicos”.

O relatório de segunda-feira surge em meio à crescente preocupação do setor de que os reguladores federais estão procurando desbancar as empresas de criptomoedas, embora os reguladores estaduais e federais tenham negado essas alegações até agora. Ainda assim, é improvável que o tom do relatório amenize essas preocupações.

Matthew Homer, ex-vice-superintendente do Departamento de Serviços Financeiros de Nova York, disse à CoinDesk que o relatório era uma “indiciação contundente do espaço que torna sua posição política cristalina”.

“A quantidade de atenção dada aos ativos digitais é substancial, especialmente quando vista em comparação com outras áreas de serviços financeiros que foram indiscutivelmente muito mais prejudiciais nas últimas semanas. A avaliação é impressionante em seu tom definitivo e pinceladas amplas”. ele disse.

O relatório analisou uma série de reivindicações e objetivos declarados da indústria cripto, desde o papel das criptomoedas como veículos de investimento e ferramentas de pagamento até seu uso potencial na infraestrutura de pagamento, dizendo que “muitos deles não têm um valor fundamental” e observando outras questões do setor.

“Tem sido argumentado que os criptoativos podem fornecer outros benefícios, como melhorar os sistemas de pagamento, aumentar a inclusão financeira e criar mecanismos para a distribuição de propriedade intelectual e valor financeiro que contornam os intermediários que extraem valor tanto do provedor quanto do destinatário. o capô desses argumentos, no entanto, mostra um quadro mais complicado. Até agora, os criptoativos não trouxeram nenhum desses benefícios”

Diz no relatório e vários desastres no setor cripto, incluindo o colapso do TerraUSD no ano passado, BitConnect e FTX, foram citados como exemplos de como os americanos comuns foram prejudicados.

Outros exemplos apontaram para fraudes mais sutis, como Long Island Iced Tea mudando seu nome para Long Blockchain para aproveitar uma onda de preços de ações, apesar de não ter nada a ver com blockchain na época.

O relatório também levou um minuto para dizer que uma internet centralizada é mais fácil, citando o criador do Signal, Moxie Marlinspike.

Ele também mencionou que sistemas futuros, como a rede FedNow de pagamento em tempo real, “poderiam trazer benefícios significativos para segmentos vulneráveis ​​da população”.

“Alguns sugeriram que sistemas de pagamento digital quase instantâneo, como o FedNow, podem reduzir a necessidade de circulação de dinheiro digital”

Disse o relatório. E nesse caso, os benefícios da circulação de dinheiro digital após o lançamento do FedNow podem ser mínimos. De fato, a governadora do Federal Reserve, Michelle Bowman, comentou em agosto de 2022 que ‘minha expectativa é que o FedNow aborde as questões que alguns levantaram sobre a necessidade de um CBDC’.

Apesar de listar essas preocupações, o relatório não se aprofundou nas recomendações para futuras regulamentações ou ações do Congresso que poderiam abordar os riscos declarados.

A conclusão da seção reconheceu que a tecnologia de contabilidade distribuída subjacente “ainda pode encontrar usos produtivos no futuro” para entidades governamentais e empresas privadas.

O relatório também reconheceu que “alguns criptoativos parecem estar aqui para ficar”, embora tenha observado que “eles continuam a causar riscos para os mercados financeiros, investidores e consumidores”.

“Grande parte da atividade no espaço de criptoativos é coberta por regulamentações existentes e os reguladores estão expandindo suas capacidades para trazer um grande número de novas entidades sob conformidade”

disse o relatório, apontando para a Comissão de Valores Mobiliários.

“Outras partes do espaço de criptoativos requerem coordenação por várias agências e deliberações sobre como lidar com os riscos que representam.”

Créditos: CoinDesk e Canva.